Conexçao Ensinar

Blog

O Poder Real das Frases Motivacionais

“O segredo da vida é cair sete vezes e levantar oito”. (Paulo Coelho)

Há quem ame e, também, há quem deteste, mas ninguém mais vai poder questionar uma comprovação científica: uma simples frase de motivação pode modificar quimicamente nosso padrão neural e proporcionar, além da motivação, satisfação e felicidade em nossa vida.

Os que detestam fazem parte do grupo daqueles que sentem aversão ao termo autoajuda, acreditando que as frases motivacionais são apenas isso. Mas, como algo que nos ajuda a sermos potencialmente melhores pode ser ruim?

A verdade é que palavras podem, sim, alterar padrões emocionais e comportamentais.

Quem já não passou por aquela sensação de ter ouvido a palavra certa na hora certa? Comprovadas pela neurociência, as palavras positivas são ferramentas de incentivo para nos manter encorajados, diante dos desafios que surgem em diferentes momentos da vida, e motivados a traçar estratégias para realizar sonhos.

Se você usa frases de motivação, seja como incentivo para alcançar uma meta, seja para superar um momento difícil ou mesmo para fazer uma postagem nas redes sociais, pode acreditar que está espalhando o bem.

Identificar, repetir ou compartilhar mensagens positivas inibe e modifica padrões químicos em nosso cérebro que são prejudiciais ao nosso organismo, à nossa saúde biológica, emocional e mental.

Mas, vamos entender melhor como isso funciona, entendendo a nossa biologia. Mais exatamente o nosso cérebro.

O cérebro humano é particularmente complexo. Ele representa apenas 2% da massa do corpo, mas recebe cerca de 25% de todo o sangue que é bombeado pelo coração. É revestido por uma fina camada cinzenta: o córtex cerebral.

É uma das regiões mais importantes do sistema nervoso central, recebendo impulsos de todas as vias de sensibilidade, interpretando-os e enviando as respostas através das sensações.

O córtex cerebral pode ser dividido em áreas, chamadas lobos cerebrais, cada uma com funções diferenciadas e especializadas. Vamos entender mais de perto uma dessas áreas: o lobo frontal.

O lobo frontal está localizado próximo à região da testa e vai até o alto da cabeça. Ele é responsável por nossos pensamentos, pelo planejamento e realização de ações efetivas, e pelo nosso comportamento. Já deu para perceber que é aí que tudo começa.

No lobo frontal, temos o córtex motor e o córtex pré-frontal. O córtex pré-frontal é responsável por nossas decisões, pela criatividade, pelos pensamentos, pelas respostas afetivas, pela perseverança, pelo controle de impulsos, pelas ligações emocionais, pela atenção seletiva e por nossos julgamentos.

Ele está diretamente ligado ao sistema límbico, unidade cerebral responsável pelas emoções e comportamentos sociais, e, que também, exerce influência – negativa ou positiva – no bom funcionamento do organismo.

É função do córtex pré-frontal equilibrar a área emocional e racional, funcionando como uma espécie de inibidor de pensamentos, emoções e ações prejudiciais. No entanto, quando afetado, a pessoa fica presa a estratégias que não funcionam e vulnerável a problemas emocionais, como a depressão.

E o que isso tem a ver com as frases motivacionais? Estamos a todo o momento cercado por notícias ruins, dificuldades, ações e pensamentos negativos e, quando nos deixamos envolver por tudo isso, o nosso padrão neural é afetado negativamente. E isso é tão sério que a Associação Europeia de Psiquiatria (Europsy) tem feito campanhas para que os europeus moderem no consumo de notícias. A saúde mental foi tema do último congresso, em Portugal, em janeiro deste ano. Segundo os psiquiatras, tem aumentado o número de pessoas com algum tipo de distúrbio neurológico por sobrecarregar o cérebro com preocupações, medos e todo tipo de negatividade.

A cada palavra e a cada pensamento negativo, hormônios do estresse são liberados, fazendo com que nosso cérebro emita mensagens aos nossos neurotransmissores que impedem o córtex pré-frontal de atuar corretamente. Essa disfunção contínua altera a química do nosso cérebro, acarretando problemas emocionais e físicos no organismo.

As mensagens positivas e frases motivacionais quebram esse padrão neural negativo e normalizam a química do nosso cérebro, tornando o funcionamento mais saudável, fazendo, consequentemente, com que voltemos a sentir motivação para perseverarmos na busca da realização de nossos sonhos, sentindo a satisfação pelos êxitos alcançados, além de tornar a vida mais próspera.

Portanto, nossas afirmações têm poderes quase mágicos em nossa vida. E essa mágica pode ser boa ou ruim. As afirmações são palavras e frases que usamos em nosso dia a dia para firmar um pensamento que temos sobre nós mesmos, sobre os outros e sobre a realidade que nos cerca. É por meio dessas afirmações que moldamos neurologicamente nossa visão e entendimento sobre nós mesmos e o mundo à nossa volta. Ou seja, somos nós quem definimos a nossa realidade.

Extremante poderoso, não é? O que prova realmente que nós somos 100% responsáveis pela vida que vivemos. O que já dizia a rica sabedoria popular: “colhemos o que plantamos”, ou “aqui se faz, aqui se paga”.

A física quântica ainda vai mais longe: a vida condiciona nossa morte. Como diz um dos versos mais fortes da canção The Living Daylights, da banda norueguesa A-ha: “The living’s in the way we die” (A vida está no modo como morremos).

Mas, então, a partir de que momento da vida, as palavras passam a ter o poder de transformar nosso destino?

Primeiro, vamos analisar individualmente. Por volta dos 10 meses, os bebês imitam deliberadamente os sons que ouvem, deixando clara a importância da estimulação externa para o desenvolvimento da linguagem. Ao final do primeiro ano, o bebê já tem certa noção de comunicação, possuindo referências e um conjunto de sinais para se comunicar com aqueles que cuidam dele. Aos 18 meses, uma criança pode ter um vocabulário de 50 palavras (ou mais, se os adultos conversarem muito com ela).

Por volta dos 2 anos, acontece uma “explosão de nomes” e o vocabulário pode ter mais de cem palavras. Entre os 2 e 3 anos, as crianças começam a adquirir os primeiros fundamentos de sintaxe, começando a se preocupar com as regras gramaticais de tanto ouvi-las e repeti-las. Aos 6 anos, a criança fala utilizando frases longas, tentando utilizar corretamente as normas gramaticais. Dos 7 aos 12 anos, a criança se preocupa com a sequência lógica para ser entendida, procurando as melhores palavras para expressar o seu pensamento. Dos 12 em diante, há o aprimoramento do que foi internalizado e o indivíduo tem a vida toda para refinar a língua que aprendeu a usar.

Só que há uma questão profunda a ser compreendida. Nós nascemos com a capacidade de aprender. Todo o conhecimento, todas as regras e conceitos de como comportar-se no mundo já estavam lá quando nascemos. Cada letra, cada palavra em cada linguagem é um acordo estabelecido, assim como as crenças, a língua, a religião e os valores morais. As palavras têm um eco emocional profundo no que que se refere ao inconsciente coletivo. Cada povo se vê e vê a realidade à sua volta de maneiras bem distintas. Por isso há tantas diferenças culturais entre os povos do planeta.

Para armazenar tanta informação é preciso concordarmos, acreditarmos o que está sendo dito. A fé de uma criança é tão forte que elas acreditam em tudo o que os adultos dizem.

Cedemos às crenças passadas para nós com nosso consentimento. Nos ensinam a ser um ser humano e aprendemos a julgar.

Crianças são treinadas dentro de um sistema de castigo e recompensa. A sensação de receber a recompensa é tão boa que continuamos fazendo o que os outros querem ao longo da vida. Fingimos ser o que somos para agradar e pelo medo de sermos rejeitados. Quando adultos nos tornamos alguém que não somos. Somos cópias de nossos pais, da sociedade ou da religião.

Assim, talentos naturais se perdem assim que internalizamos o significado do “não” (você não consegue; você não é capaz; não faça isso; você não é bom ou talentoso o suficiente).

Com o tempo, acreditamos nas mesmas crenças ensinadas para nós. E esse sistema de crenças é como uma lei. E, como juízes julgamos o tempo todo e, principalmente, julgamos a nós mesmos. Se fazemos algo contra o que nos foi ensinado nos sentimos culpados e envergonhados. Carregamos tanto culpa e tanta vergonha que acreditamos que somos “coitadinhos”. E o nosso lado juiz decreta: “você não é bom o suficiente”.

O lado bom é que é possível quebrar isso. As palavras positivas e frases motivacionais nos dão coragem para tomarmos nossas próprias decisões. É claro que desafiar as crenças limitantes que internalizamos desde crianças nos fazem sentir medo e insegurança. É preciso muita coragem para estabelecer novas e positivas crenças. Nós cedemos, porque temos medo da rejeição

E tudo isso forma um sistema muito injusto. Segundo estudos feitos, 95% das crenças armazenadas em nossa mente são mentiras. Por isso receberam o nome de crenças limitantes. E sofremos, porque acreditamos nelas. O sonho vira pesadelo. Nossa sociedade é regida pelo medo, que, por sua vez, gera raiva, ciúme, inveja. Nossas crenças nos levam ao sofrimento.

Morrer não é o maior medo, mas viver. Viver é assumir riscos. Satisfazer as necessidades dos outros pelo medo da rejeição só nos causa sofrimento. Apelamos para as máscaras sociais para fingir felicidade e plenitude. E julgamos os outros da mesma maneira. Muitos sentem raiva daquele que teve coragem suficiente para bancar seus sonhos e viver uma vida plena.

Para viver uma vida de alegrias e realizações, precisamos encontrar coragem para romper com o medo e, assim, transformar nossos sonhos em realidade.

Contudo, é importante afirmar que não podemos culpar nossos pais, culpar quem cuidou de nós, porque, em primeiro lugar, eles também sofreram com esse sistema injusto. No fundo, eles têm medo que possamos sentir algum tipo de decepção.

E em segundo lugar, nós herdamos, mas também criamos afirmações ao longo de toda a vida e, sem perceber, pensamentos e palavras moldam uma existência. E quanto mais afirmamos, mais alimentamos nossos pensamentos, que viram nossas crenças.

Quanto mais compreendermos todo esse processo, mais consciência teremos em usar esse poder a nosso favor e não contra.

A capacidade de trocar um pensamento ruim por um bom, ou uma afirmação negativa por uma positiva, potencializa a nossa mente e proporciona melhoras em todas as áreas da vida.

Pensamentos e palavras positivas estimulam os centros motivacionais do nosso cérebro e nos ajudam a entrar em ação, tendo maior resiliência quando estamos diante de situações desafiadoras. Também nos ajudam a seguir em frente, mesmo em momentos de desânimo.

Portanto, agora soa óbvio que é preciso ter pensamentos, sentimentos, crenças e atitudes alinhadas com que você quer atrair para sua vida. Como desejar ter uma vida rica materialmente, se acreditar que não é merecedor de nem mesmo sentar à mesa de um sofisticado restaurante ou deitar sobre os mais finos lençóis de um hotel 5 estrelas?

Querer ser rico, por exemplo, não fará dinheiro aparecer do nada, mas a confiança no desejo fará com que lute ou encontre alternativas, ou soluções simples e criativas para um empreendimento. Fará com que veja os desafios como oportunidades para atingir metas. Na Internet, encontramos casos de pessoas que estavam na rua e que deram a volta por cima, sendo, hoje, donas de seus próprios negócios, levando uma vida de sonhos. Se um pode, todos podem. A ação fará com que cada um busque a realização de seus sonhos mais escondidos.

As frases vêm de pessoas vencedoras. É quase uma receita. Se deu certo para elas, dará para todos.

“A chave para a mudança é uma sensação imutável sobre quem você é, para onde você vai e o que mais importa para você.” Stephen Covey

 

É possível construir hábitos otimistas, ter pensamentos positivos, sentir mais gratidão, apreciar as belezas da vida, estar perto de pessoas que nos fazem bem, ter mais doçura no olhar, ler e compartilhar uma mensagem positiva por dia. São excelentes formas de atrair mais felicidade e satisfação para vida e sentir a plenitude por, simplesmente, estar vivo.

Aos poucos, as coisas negativas vão se afastando, não porque deixaram de existir, mas por termos mudado nosso ponto de vista sobre elas e sobre nós mesmos.

E não se esqueça:

“O mundo pertence aos otimistas: os pessimistas são meros espectadores.” Dwight Eisenhower

Postar um comentário