Conexçao Ensinar

Blog

Patriotismo e Nacionalismo Não São Sinônimos

De acordo com as notícias, os russos se prepararam bem antes para receberem o torneio mais importante da FIFA: a Copa do Mundo de Futebol, entre os dia 14 de junho e 15 de julho de 2018.

Com todos os holofotes voltados para a Rússia, vamos conhecendo o povo, sua história, seus costumes e suas festas.

Os russos gostam de enfeitar as ruas com as cores de sua bandeira. Os símbolos nacionais estão nos mais variados souvenires. Repórteres brasileiros nos mostram tudo isso, falando como os “russos são nacionalistas”! Opa! Erro! Eles queriam dizer que os russos são patriotas.

Há um erro, que tem se tornado comum, em usar as palavras patriotismo e nacionalismo como se fossem sinônimos. Mas não são.

Até existe uma minoria russa nacionalista, que chega a cometer crimes por isso. O nacionalista defende uma tese ideológica, surgida após a Revolução Francesa, que supervaloriza o sentimento que o une à sua terra em detrimento de outras nações. Esse tipo de pensamento acaba justificando crimes cometidos contra estrangeiros em favor dessa ideologia.

Patriotismo vem do grego patriotes (patrício), que é o sentimento de orgulho, amor, à pátria, aos seus símbolos, às suas riquezas, aos seus costumes.

Para sorte dos turistas que chegam todos os dias para assistir aos jogos da Copa, a maioria do povo recebe o estrangeiro com grande hospitalidade. Os russos se orgulham de sua terra, de sua herança, de seus costumes, de sua língua. 92% se consideram patriotas, segundo uma pesquisa feita no início do ano.

As pessoas ainda foram questionadas sobre as características de um patriota. Para os russos, um verdadeiro patriota é alguém que ama seu país; é alguém que se esforça para mudar as coisas que não estão bem; é alguém que trabalha em benefício do país ou de alguém e é alguém que defende seu país. Mas também é aquele que não teme falar a verdade sobre o seu país, mesmo que seja amarga.

O chefe do departamento da agência VTSIOM que fez a pesquisa, Stepan Lvov, afirmou que a Rússia está experimentando “a evolução do patriotismo” — de um sentimento cotidiano de união à participação ativa na vida da nação.

Cerca de um terço dos entrevistados espera que a Rússia se torne uma nação líder mundial nos próximos 10, 15 anos.

Quando perguntados sobre o que torna seu país forte e respeitado, 26% responderam que são militares, 22% disseram “o forte espírito e a vontade do povo russo” e 17% atribuíram o sucesso da Rússia ao “presidente bom e poderoso”, Vladimir Putin.

E no Brasil? O que é ser patriota? Hoje em dia, jovens de 30 anos ou menos, não possuíram, em seus currículos escolares, uma matéria que lhes ensinasse a ética e moral, os valores patrióticos e um conhecimento de nossa história com mais detalhes. Não sabem identificar nossos quatro símbolos nacionais (a Bandeira Nacional, as Armas, o Selo e o Hino Nacional).

O sentimento patriótico oscila no povo brasileiro. Só o percebemos em alguns momentos políticos ou em Copas de Futebol. Isso porque o alicerce do patriotismo foi negligenciado nas últimas décadas: o civismo, que é a fidelidade àquilo que é público.

A manifestação da nossa cidadania passa por valorizar aquilo que é coletivo. Só teremos orgulho de quem somos, quando valorizarmos a nossa herança cultural.

E, para você? O que é ser patriota?

Postar um comentário